O mercado recebeu a estreia do Grupo Mateus com muita expectativa na Bolsa. Em 2020, o movimento foi considerada a maior abertura de capital do ano. Detendo R$ 4,5 bilhões em caixa para expandir a operação, a varejista comprou terrenos para aumentar a presença nas regiões Norte e Nordeste.

Contudo, a inflação e os juros em alta afetaram os planos da companhia. Isso fez com que o mercado começasse a olhar com mais resistência a aceleração do grupo. Isso fez com que as ações caíssem bem abaixo do esperado. Apenas em 2022, a empresa perdeu 30% do valor. Somando os últimos 12 meses, a redução é de quase 50%.

Isso fez com que os analista mudassem as expectativas sobre o negócio. A BB Investimentos reduziu o preço-alvo de R$ 6,60 para R$ 5,70. Mesmo assim, representa 40% a mais do que o preço atual, mas com um desconto de 36% em relação ao IPO.

Informações do Infomoney apontam que o processo de expansão acelerada “deve levar à perda temporária de alavancagem operacional” no curto prazo, avalia o BB Investimentos. A instituição ainda diz que foi apresentado aos investidores um plano de expansão focado na densificação de rotas já existentes, “o que contribuiria para o ganho de alavancagem operacional já no curto prazo”.

“A empresa fez contratações de bons executivos para realizar a expansão, o que mitiga o risco”, diz Danniela Eiger, chefe da área de Research da XP, que recomenda a compra dos papéis, com preço-alvo de R$ 9, de acordo com o jornal O Estado de S.Paulo.