O exame que atesta coronavírus do presidente Jair Bolsonaro teve resultado positivo, segundo reportagem do Jornal O Dia. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (13). O presidente ainda aguarda a contraprova, que deve ser divulgada hoje para ter certeza da contaminação.

Após a publicação da reportagem do O Dia, o deputado federal Eduardo Bolsonaro negou em uma publicação no Twitter que o resultado tenha sido divulgado. “Muito boato e pouca informação. Teste para coronavírus feito com equipe que foi com Jair Bolsonaro para EUA ainda não foi concluído”, escreveu.

A rede americana Fox News confirmou o resultado positivo do exame e disse que Eduardo afirmou que aguarda o resultado da contraprova do teste. O presidente passou a ser monitorado após a confirmação da presença do coronavírus no chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), Fábio Wajngarten.

Wajngarten participou da comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro na viagem de quatro dias aos Estador Unidos. O chefe da Secom viajou no avião presidencial junto com Bolsonaro, o filho Eduardo, e a primeira-dama, Michelle. Quatro ministros participaram da viagem.

Além de ter contato com o chefe de estado brasileiro, Wajngarten também se encontrou com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e com o vice-presidente americano Mike Pence na Flórida, quatro dias atrás durante viagem de Bolsonaro aos Estados Unidos. Em suas redes sociais, o chefe da Secom compartilhou uma foto ao lado dos dois líderes.

O chefe da Secom passa bem, mas está trabalhando em sua casa, em São Paulo.

O general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), montou um gabinete de crise no Palácio do Planalto para tratar da questão. Heleno participou da viagem e acompanhou o presidente no voo e em seus compromissos. Os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Bento Albuquerque (Minas e Energia) também viajaram aos Estados Unidos e voltaram ao país nessa quarta-feira, 11.

Mascarado

Bolsonaro apareceu usando uma máscara Durante a live no Facebook ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, nesta quinta-feira (12). O presidente também sugeriu o adiamento ou suspenção das manifestações pró-governo marcadas para o dia 15 de março.

Na live, ele anunciou que vai assinar a Medida Provisória (MP) que libera R$ 5 bilhões, via emendas, para o enfrentamento da doença. O valor atende a um pedido feito nesta quarta pelo ministro da Saúde.

Para daqui um ou dois meses (faz a manifestação). Já foi dado um tremendo recado para o parlamento”, afirmou em live no Facebook que apresentou instabilidade e acabou ficando dividida em duas partes.

Ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que também usou uma máscara, o presidente disse que é preciso evitar que haja uma explosão de pessoas infectadas, pois os hospitais não dariam vazão a tanta gente.

Se o governo não tomar providências sobe, e depois de um certo limite, o sistema não suporta. Pode morrer pessoas por outros motivos, vão dizer que é o coronavírus. Como presidente da República, tenho que tomar alguma posição. Uma das ideias é adiar, suspender, e daqui um mês, dois, fazer a manifestação. Já foi dado um tremendo recado ao Parlamento, principalmente em relação a aquelas emendas de relatores, se vai ter autonomia para movimentar R$ 15 bilhões ou não. O recado foi dado”, disse, durante a transmissão.